A vida é melhor de óculos

8% OFF PAGAMENTO POR PIX

Frete Grátis nas compras acima de R$149

Olá,Bem vindo!
Conta e pedidos
Cliente novo?Cadastre-se

Ir para Carrinho

Adicionado com sucesso!

Seus olhos estão ficando com a parte branca avermelhada? Cuidado, se você tem entre 30 e 60 anos pode estar com esclerite – e isso é um sintoma de que alguma coisa não vai bem em seu organismo. De acordo com os especialistas, em metade dos casos em que há inflamação da esclera (a parte branca dos olhos) o motivo está associado a doenças como artrite reumatoide ou doença de colágeno sistêmica. Claro que também pode acontecer de você simplesmente ter machucado o olho com algum tipo de cisco ou produto químico como shampoos, por exemplo, e haver uma inflamação em andamento, mas se a vermelhidão com dor persistir procurar um médico é indispensável.

A doença do olho vermelho – ou esclerite – é rara em crianças, acontecendo mais na faixa etária entre 30 e 60 anos. Se não for tratada, a inflamação da esclera aumenta até o tom ficar arroxeado e a dor se espalha para outras partes do rosto, podendo haver perda de parte da visão e hipersensibilidade à luz. O problema é que há vários tipos de inflamação da esclera, desde os mais fáceis de serem tratados até os mais complicados, que afetam tecidos mais profundos. 

Um desses tipos é a esclerite clássica, que implica em perda da acuidade visual e pode levar ao óbito quando chega no estágio de necrose. Nestes casos o tratamento é mais difícil, por isso o acompanhamento médico em casos de esclerite é fundamental desde o início. A episclerite, por outro lado, é um tipo benigno e, por ser mais superficial, não costuma se prolongar e requer tratamento mais simples.

A única forma de saber exatamente o que está por trás do olho vermelho é procurar um oftalmologista – e pela internet é muito fácil conseguir um médico especializado em olhos ou clínicas oftálmicas perto de você. Para determinar qual dos tipos de esclerite está deixando o olho vermelho o médico deverá pedir exames como hemograma, ressonância e tomografia, mas em alguns casos também pode ser necessário fazer biópsia. O importante é estar bem amparado por um profissional qualificado e especialista na área.